sexta-feira, 18 de setembro de 2009

TERRA BAHIA

Terra Brasil, brasileira

Parada primeira

Colonização

Que se regala festeira

À sua maneira

Num só coração


Berço de tantos talentos

Fortes monumentos

Da nossa cultura

Velhos, rapazes, rebentos

Palavras, inventos

A arte mais pura


Terra de mil Caetanos

Caroso, Adrianos

Valverdes e Rosas

Terra dos Novos Baianos

Amados, fulanos

De Ruys e Barbosas


Terra de boa comida

Gilbertos dão vida

Pros tempos de paz

Castros e Alves na lida

Poesia esculpida

Versos de Moraes


Lugar onde o vento gorjeia

Menina, sereia

Tarde, Itapoã

Quem se deitar nesta areia

Pulsará na veia

De um belo amanhã


Onde renasçam Caimmys

Com notas sublimes

Rede e violão

Onde na esteira de vime

Preguiça é vitrine

Para uma nação


Onde nasceram Marias

Bethânias, poesias

Costas e Gal

Caldas, Dodôs e folias

Reinado de dias

O som, carnaval


Cantam Sangalos e Leites

Pra nosso deleite

Macedos, João

Fortes como seu azeite

Tempero de peixes

Abará, camarão


Dadá e seu sorriso lindo

Nascendo, fluindo

Para exportação

Porto seguro, menino

Correndo, carpindo

Mais uma canção


Terra de tantas belezas

Naturais riquezas

De mares e rios

Terra de tão farta mesa

Alegria e tristeza

Num só desafio


Aqui nasceram pessoas

Tão raras, tão boas

Quase uma elegia

Tu és o hino que entoa

O sino que soa

És terra, Bahia!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O VENDEDOR

Conta a piada que um certo vendedor, desesperado pela grande maré de azar que atravessava, há meses não preenchia uma folha no seu talão de pedidos, resolveu não trabalhar naquele dia e vagava pela praia procurando espairecer. De repente, uma dor lancinante. Descalço que estava, topara com toda força num objeto metálico e quente por causa do sol em brasa. Depois de proferir palavrões inenarráveis, abaixou-se para acariciar o dedão na vã tentativa de aplacar a dor. Neste momento observou que o tal objeto, nada mais era que a lâmpada perdida por Aladim. Sem titubear, alisou o objeto mágico libertando o Gênio de séculos de prisão.

-O senhor é meu amo, pois me libertou. Com isso terá direito a três pedidos.

-Um minutinho só, enquanto vou correndo no carro buscar o talão.


Não sei se por coincidência ou por capricho do destino, veio parar na minha mão por empréstimo, o livro O Vendedor de Sonhos de Augusto Cury, justamente no momento que acabo de me tornar um vendedor, não de sonhos, não tenho tal pretensão, mas de remédios e produtos de farmácia. Ainda não descobri o que esse maravilhoso livro, pude perceber isso pelo pouco que li até agora, terá relação com minha nova atividade. Mas uma história destas, contada de maneira tão deliciosa, com ensinamentos profundos, com certeza terá sua contribuição no meu engrandecimento nesta nova jornada.


Ainda não tinha contado isto a vocês, mas depois de um ano desempregado, acumulando dívidas e à beira do desespero, me apareceu esta oportunidade que agarrei com mãos, pés, boca e tudo mais que sirva para agarrar alguma coisa. Vale lembrar que isto foi uma mudança radical na minha vida. Primeiro porque tive que me mudar. Agora fixei residência em Serrinha, a 170 km de Salvador, para poder atender a região que darei cobertura, o sertão baiano, na área da produção de sisal. São muitas cidades que visito semanalmente: a partir de Serrinha, que também faz parte do meu setor, vem: Teofilândia, Araci, Jorrinho, Caldas do Jorro, Tucano, Quijingue, Euclides da Cunha, Uauá, Canudos, Monte Santo, Cansanção, Nordestina, Queimadas, Santa Luz, Valente, Retirolândia, Conceição do Coité, até chegar novamente a Serrinha, perfazendo uma ferradura de mais de 600 km de extensão.


Depois, tem o fato de nunca eu ter tido experiência com vendas e não entender praticamente nada de medicamentos e suas substâncias com nomes estrambólicos, parecidos, muitas vezes, e de difícil assimilação. Com isso, venho dando muitas cabeçadas, mas, depois de quase três semanas de atividade, acho que estou me saindo até bem, numa otimista auto-avaliação. Este é um dos motivos, sem querer aqui dar nenhuma desculpa esfarrapada pelo meu desaparecimento do mundo maravilhoso dos blogs. A verdade é que pouco estou podendo acessar a net. Trabalhando quase 13 horas por dia, perambulando por cidades que, na sua maioria, não tem internet nos hotéis, como é o caso de agora que escrevo sozinho, num aconchegante, limpo e agradável quarto de hotel em Santa Luz, ficou mais difícil de escrever coisas novas, ler meus autores blogueiros prediletos e, principalmente, comentar nas suas maravilhosas postagens.


Bem, voltando ao vendedor, não consigo descrever a sensação sentida quando por fim, gastei a primeira folha do meu talão de pedidos. Foi deslumbrante, mesmo tendo sido um pedido pouco acima do pedido mínimo e longe de ser um bom pedido. Quase tremia ao preencher aquelas poucas linhas com quantidades, nomes confusos e pouca compreensão. Como um bom sinal, foi no meu primeiro dia de trabalho. Segundo os experientes da área, isto não é fácil. Ponto pra mim. É claro que venho dando minhas cabeçadas, mas aos poucos estou encontrando meu estilo, minha forma de vender. Não sonhos, estes vou tendo enquanto dirijo sob o sol escaldante do sertão baiano, suado nas roupas quentes e apresentáveis que agora sou obrigado a usar, mas os Diclofenacos, Losartanas, Fluoxetinas, Cloridratos e tantos outros acos, anas e inas da vida, pagando propinas a guardas rodoviários para não me multarem por causa das duas linhas de vidro trincado no pára-brisa do meu carro, que a precária situação financeira não me deixou trocar.


Já foram várias as garfes que cometi. Como perguntar ao cliente o fabricante de determinado remédio mais conhecido que o Papa e ouvi dele: -Já vi que você é marinheiro de primeira viagem. –Sim. Respondi. –Porém, não conheço nenhum marinheiro experiente que não tenha dado a primeira viagem ou alguém que aprendeu a nadar sem se jogar pela primeira vez na água. Semana passada, eu cometi uma outra que me deixou muito envergonhado. Depois de conhecer, num pequeno intervalo de tempo, mais de cem pessoas, cometi a imprudência de confiar na memória. Entrei num estabelecimento, sem consultar minhas anotações, que já tinha visitado na semana anterior e chamei sua dona pelo nome.

-Como vai Dona Maria Luiza?

-Bem, mas me chamo Rita de Cássia.

Desconsertado falei a primeira bobagem que me veio na cabeça:

-Maria Luiza e Rita de Cássia? É quase a mesma coisa, chega até a rimar.

Era a cidade de Queimadas, onde até hoje eu não tinha tirado nenhum pedido. É claro que a senhora não comprou nada em minha mão, por mais que eu tentasse me redimir. No lugar dela eu também não compraria.

- Não se zangue comigo D. Rita. Conheci muitas pessoas nos últimos dias e fica difícil gravar o nome de todas. Tire um pedidozinho com seu amigo, para batizá-lo na cidade. Ainda não vendi nada aqui em Queimadas. Preciso mandar o leite da menina.

-Não foi nada Adriano. Não tem nada a ver com isso. Estou sem faltas, já pedi o que precisava com outros representantes. Quem sabe na próxima semana.


Não botei muita fé. Aquelas palavras foi o que eu mais tinha ouvido nos últimos dias. Fui embora desolado sem vender um comprimido na cidade. Hoje, estava retornando à Queimadas e, entrando na cidade, alguns versos surgiram de repente na minha cabeça quase a porta da farmácia da simpática senhora. Então não titubeei. Desci do carro e entrei no estabelecimento falando:


O que D. Rita de Cássia precisa

É tirar um pedido com Adriano

Para que este não cometa o engano

De chamar-lhe Maria Luiza


E aí D. Rita de Cássia?

Flor das acácias de terras amadas

Minha caneta está pronta

Pra marcar na sua ponta

Meu batismo em Queimadas.


Ela riu, olhou meu catálogo e fez um gordo pedido. Mais um ponto para mim. Quem sabe um dia eu chego lá? Eu acredito e continuo sonhando.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

MEU PÉ DE CAJU

Fração dos meus averes prediletos
O meu pé de caju detrás de um muro
Safra em safra me dá frutos seletos
Mas deles ele logo fica puro

Além do passaredo e dos insetos
Mazelas naturais que lhe não curo
Com pedradas garotos irriquietos
Lá não deixam para mim caju maduro

Não me zango, porque não me exaspera
A garotada lesta divertida
A derribar cajus....

E até quisera ser eu
Um pé de caju da mesma classe
Para que produzindo nesta vida
Desse fruto a quem pedra me jogasse.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O SUSTO


O susto é o prenúncio do medo
O medo que está por vir
Ou aquele que já veio?
Do veio porvir
Porventura
A cura do medo
Segredo sem farol
Labareda no teu seio
Alimento na ponta do anzol
Assombração entre o arvoredo

Medo, medo, medo
Segredo, segredo, segredo
Arvoredo, arvoredo, arvoredo
Ventura, ventura, ventura
A cura, a cura, a cura
Pura, pura, pura

Assombração entre o arvoredo
Alimento na ponta do anzol
Labareda no teu seio
Segredo sem farol
A cura do medo
Porventura
Do veio porvir
Ou aquele que já veio?
O medo que está por vir
O susto é o prenúncio do medo

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

ANA CAROLINA

O vídeo já diz tudo. O poema de Elisa Lucinda e a parceria de Tom Zé. Sem comentários!

NA BAIANA DO ACARAJÉ

-Diga aí freguês?
-Baiana, vê um com e um sem pra viage.
-Bota pimenta?
-Tá muito retada?
-Tá boa.
-Então bota como se o cu fosse seu. Tem guaraná?
-Sim. Tem coca, fanta, fanta uva e soda.
-Bota uma coca pra viage também. Sabe dizer onde eu pego o buzu pra Muriçoca?
-Faz o arrodeio a direita. Ele passa na pista de lá.
-Costuma demorar?
-Demora pra caralho. Só passa de caju em caju.
-Ôto dia peguei esse buzu e o motô botou pra fudê. Corria virado na nisgraça, acho que tava comeno água.
-Esses corno num respeita a gente. Leva o buzu como se fosse fusca. Ôto dia o motô fez uma curva virado na porra e derramou meu balaio todo.
-Filho da puta! Porque você num mandou ele pra casa da porra?
-É que tava na pendura, num podia reclamar. Cê sabe né, as vez a gente pega carona.
-Cê tava indo pronde?
-Da Curva Grande pro Pau Miúdo.
-Ah! Longe pra porra.
-O pior né isso. O buzu tava intupido e tinha um viado fazeno terra em mim. Mandei o sujeito tomar no lugar que galo gosta. Que falta de respeito!
-Pois é baiana. O povo num respeita mais nada. É foda! Cê já viu que tem um carioca trabalhano na padaria de seu Nonô?
-Vi, acho que ele é meio tiziu do peito seco.
-Pois é. O sacana ficou rino da minha cara porque pedi uma vara e dois cassetinho, pode?
-Pode não batera, quem essa bicha pensa que é?
-Sei lá. Aquela coca é fanta mesmo.
-Tô indo baiana. Vou levá o acarajé da nêga antes que isfrie. Ah! Bota uma punheta também. Quanto é?
-Seis real.
-Bota no prego baiana. De hoje a oito eu te pago.

P.S. Este texto é quase uma transcrição literal de um diálogo que ouvi ontem entre a baiana e um cliente quando fui comprar um acarajé.

Glossário de Regionalismos

Diga aí freguês: Saudação de comerciante, principalmente feirante, camelôs e baianas de acrajé, aos seus clientes.
Baiana: Vendedora de acarajé.
Um com, um sem: Acarajé com e sem camarão.
Muito retada: Muito forte, ardendo demais.
Como se o cu fosse seu: pouca pimenta.
Guaraná: Para o baiano guaraná é sinônimo de refrigerante.
Viage: Viagem.
Buzu: Ônibus coletivo.
Muriçoca: Pernilongo. Neste caso alusão ao Vale da Muriçoca que liga o bairro da Federação a Av. Vasco da Gama em Salvador.
Arrodeio: Retorno.
Pra caralho: Muito.
De caju em caju: De quando em vez, espaçadamente.
Ôto: Outro.
Nisgraça: Desgraça.
Comeno água: Fazendo uso de bebida alcoólica.
Motô: Motorista.
Virado na Porra: Forte, nervoso, com muita intensidade.
Balaio: Cesto grande trançado de vime ou cipó.
Na Pendura: Fiado ou de graça.
Num: Não
Cê: Você.
Pronde: Para onde.
Curva Grande: Ladeira no bairro do Garcia em Salvador.
Pau Miúdo: Bairro de Salvador.
Intupido: Muito cheio, entupido.
Fazeno terra: Roçar por trás nas pessoas.
No lugar que galo gosta: No cu.
Trabalhano: Trabalhando.
Tizio do peito seco: Homossexual.
Rino: Rindo.
Vara: Pão francês 200g.
Cassetinho: Pão francês 50g.
Batera: Amigo, parceiro.
Aquela coca é fanta: O rapaz é gay.
Nêga: Esposa, namorada, amante.
Isfriar: Esfriar.
Punheta: Bolinho frito de tapioca coberto com açúcar e canela em pó. Também conhecido como bolinho de estudante.
Botar no prego: Pendurar, fazer fiado.
De hoje a oito: Daqui a uma semana.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

BILHETES II

Eu escrevi bilhetes de amor. Escrevi linhas que falavam da minha angústia e do meu desespero. Escrevi cartas com mentiras e verdades tentando aproximar o meu eu da minha razão. Eu fui fundo nas palavras dos bilhetes não lidos. Esquecidos na porta da geladeira. Como aquele que avisava para desligarem o fogo do feijão antes do incêndio consumado. Eu escrevi bilhetes conotativos com idéias desencontradas e palavras sem sentido, cujos significados desconotativavam o resumo da história. Escrevi bilhetes sem memórias ou lembranças. Sem esperanças, sem pudores. Falava dos meus amores como falo de futebol. Escrevi bilhetes não postados, esquecidos nas gavetas e escaninhos de um cérebro em colapso. Fui relapso, preguiçoso, fui fugaz.

Recebi bilhete azul me apontando a porta da saída. Na hora da despedida um bilhete de apoio e consolo. Li bilhetes de artistas nos versos das canções. Bilhetes de corações apaixonados. Cartas quilométricas desconsiderando a distância entre seus destinatários. Bilhetes com relicários e um passado no papel. Bilhetes de uma vida, uma encarnação não lembrada, nas sessões de regressão no divã de um analista. Um que veio do florista com as rosas vermelhas e amarelas. Este estava perfumado. Bilhetes deixados na mesa, nos correios, no caderno ou no bolso. Bilhetes, bilhetes, bilhetes, que teimo em ler ou escrever com a caneta já falhando. A tinta acabando no bilhete que deixo agora supurando a ferida. Não conto a minha história, só me despeço da vida.

sábado, 1 de agosto de 2009

PRESENTE PRA LAI

25 de Julho de 2009

É seu aniversário
E sou eu quem ganho o presente
Da imensa alegria
De estar com você

É seu aniversário
E eu sou quem fico contente
De ver minh'alma cansada
Na estrada rejuvenescer

É seu aniversário
E embora eu não mereça
Que no meu campo floresça
Um belo jardim em flor

Vejo na frente o cenário
De um lindo campo florido
E o sabor colorido
Da língua do seu amor

É seu aniversário
E nada trago nas mãos pra te dar
Nem jóias, mimos ou teréns

É seu aniversário
E nada pra te ofertar
Só meu amor, parabéns!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

PREGUIÇA BAIANA

"As vezes sinto uma vontade enorme de trabalhar. Aí, vou para um canto quietinho, fico lá deitadinho, esperando a vontade passar."
Autor Desconhecido

Dizem que baiano é preguiçoso. Nunca vi uma mentira maior. O baiano é um povo trabalhador e disposto, mesmo sendo festeiro. Acho que o percursor desta bobagem foi o genial Dorival Caymmi. Preguiçoso de marcar maior, com sua música universal, propagou esta fama mundo afora. Só que a verdade é bem diferente. Mas não foi sobre isto que vim aqui falar.

Poderia dar um monte de desculpas, falar de falta de tempo, de compromissos inadiáveis, uma fictícia L.E.R. ou algo do tipo, para justificar o longo período de silêncio deste espaço sem qualquer satisfação. No entanto vou falar a pura verdade. Nos últimos tempos me baixou o caboclo Dorival e eu fiquei com uma preguiça danada. Uma preguiça baiana. Fiquei como o cidadão da ilustração acima, esperando a vontade passar. Fui também acometido de um banzo que tentou minar as minhas forças, mas renasço das cinzas para voltar a postar aqui e nos outros espaços que participo. Espero que os caros leitores perdoem-me a ausência e não abandonem este baiano que de preguiçoso não tem nada, mas às vezes tambem tem direito a uma rede. Obrigado.

P.S. A partir do próximo domingo, darei continuidade a história "O Caminho de Volta".

sexta-feira, 5 de junho de 2009

A LÍNGUA DO "F"

O discurso etílico de mesa de bar às vezes produz algumas pérolas. Ontem de madrugada fui com uns amigos ao aeroporto esperar meu compadre Zé Filho que veio do Pará passar alguns dias na boa terra. De lá fomos a um barzinho tomar umas geladas e comer uma bela feijoada. Depois de muitas cervejas, meu amigo Goiabão já não conseguia pronunciar corretamente uma palavra sequer chapado que estava. Mas, na hora de contar este "causo" articulou tudo direitinho para delírio dos bêbados a sua volta que deram muitas risadas, incluindo este que vos fala. A autoria é desconhecida, mas vale o registro.

"Um sujeito entra no restaurante, senta e chama a garçonete pelo nome:
-Filomena faça favor!
-Pois não senhor o que deseja?
-Fineza fazer frango frito.
-Algum acompanhamento?
-Farofa e fritas.
-Quer algo para beber?
-Frisante.
Depois de comer, a solícita garçonete pergunta:
-Está satisfeito? Quer mais alguma coisa para comer?
-Filé e fígado.
-Para acompanhar?
-Feijão e farinha.
Quando acabou o segundo prato, Filomena perguntou ao senhor:
-Aceita alguma sobremesa:
-Frutas frescas.
Ela trouxe a fruta junto com um copo de água e um cafezinho. Ao tomar o café o senhor fez uma cara horrível.
-O que foi, não está bom o café?
-Frio e fraco.
-E como o senhor gosta?
-Forte e fervendo.
-Desculpe amigo, qual o seu nome?
-Francisco Fernandes Fontoura Figueira Filho.
-Qua a sua profissão?
-Fui ferreiro.
-E porque não é mais?
-Faltou ferro.
-E o que o senhor fazia?
-Faca, faquinha, facão, fechadura, ferrolho, ferro fundido, funil...
-E agora depois de aposentado como o senhor se sente?
-Feio, fodido e falido.
-Tudo bem seu Fernandes. Se o senhor falar mais seis palavras começadas com F não vai pagar a conta.
-Formidável! Ficando fiado fico freguês.
Ao falar isto, se levantou e saiu sem pagar a despesa. Filomena, percebendo o erro do moço gritou:
-Seu Fernandes, o Sr. disse apenas cinco palavras.
-Foda-se Filomena!"

sábado, 9 de maio de 2009

REFLEXÃO DE SER FILHA

Poema de Júlia Lopes e Adriano Carôso

Nós filhas muitas vezes brigamos
Com nossas mães
E, às vezes pensamos,
Como seriam nossas vidas sem elas?
Eu achei a resposta.
Nada seriam porque as amamos,
Todas elas
E, às vezes pensamos
As amamos tanto
Que mesmo quando elas brigam
Ainda assim a gente gosta.

E vocês mães sabem que amamos muito
Mesmo sendo de um jeito esquisito
Mesmo desobedientes, isto é o amor
E, como uma flor,
Ele é sempre bonito

Minha mãezinha querida
Hoje acordei com vontade
De falar que a amo tanto
No teu dia especial e dedicado
Mas para mim não existe dia melhor
Para mostrar minha felicidade,
Desfrutar do teu encanto,
Que quando estou ao teu lado.

Quero fazer contigo o meu traçado
E assim construir a minha trilha
Ver seu amor a mim dedicado
Para que eu não me fira ou me arranhe
Sermos juntas um só bocado
Ser pra sempre tua filha
Ter-te sempre minha mãe.

Mãe, parabéns pelo seu dia!

Dedicado a Cynthia Lopes Pinto

P.S. Dedico também esse post a todas as mães do mundo em especial a minha, Lourdes, a D. Leonor, minha sogra, a D. Maria Helena, avó de Júlia, a minha irmã Sílvia, a Elisângela, a Sandra, a Socorro e a Lai, que ainda não é mãe, mas isto não será por muito tempo.

Adriano Carôso

terça-feira, 5 de maio de 2009

BA x VI - "Quem Não Sabe Brincar, Não Desce Pro Play"

Domingo passado, eu entrei numa aventura sem igual. Não iria contar aqui, mas como meu irmão, se aproveitando da infinita vantagem que o fato lhe dá, está escancarando em seu blog, mentiras escabrosas, resolvi contar a verdade dos fatos para que vocês, queridos leitores, leiam as duas versões e tirem as próprias conclusões. Eu sou um grande admirador de contistas. Daquelas pessoas que têm o talento de pegar uma história real e transformar num conto de carochinhas. De prender o leitor como se aquilo fosse o maior romance do mundo. Edmundo é mestre nisto, mas nada lhe dá o direito de falar tamanhas inverdades ao meu respeito. Até porque, sou torcedor do Bahia desde que tinha sete anos de idade, e ele, bem mais velho que eu, achava que futebol era coisa de maluco. Cansei de o ver falar que ouvir um jogo no rádio, além de lhe dar uma profunda depressão, era coisa de quem tinha de se internar. Pois é, eu não me internei e muita crítica sofri por causa disto. Até que o tal, depois de entrar na fase dos enta, foi trabalhar no Vitória(leia vicetória,com letra minúscula e tudo). O cara virou, da noite para o dia, o maior rubro negro que já conheci. E o maior pirracento também. Coisa que sempre fui, independente o assunto, seja futebol ou mulher, física quântica ou poesia, por causa de tudo que aprendi com ele, que sempre foi um espelho e ídolo pra mim. Mas, resumindo a narração, vamos aos fatos reais.

Sábado, 02 de maio, era meu aniversário e eu, a contive de meu pai, fui para o interior comemorar. Edmundo, sabido de marca maior, que conhece minhas fraquezas como ninguém, me ligou e disse: -Velho Diu! Tenho dois ingressos para o Ba-Vi. Se você quiser me dar uma carona, já que meu carro está parado por causa da batida, te dou o outro pra gente ir junto. Eu falei: -Tedinho não sei, vou pra Serrinha na carona de Ruy e não sei que hora ele volta no domingo. Vai ter o churrasco do meu aniversário, boca livre que meu pai tá bancando e isso eu não quero perder. Se Ruy voltar cedo eu vou com você. Ele, sabendo como me influenciar desde que eu nasci, disse: -Eu não posso garantir nada, se você não vier, vou fazer um plano B. Acho outro amigo, talvez um Vitória, que queira ir comigo, ingresso de graça e tudo o mais e aí não posso garantir nada. Meu orgulho foi às alturas e me deu vontade de mandá-lo tomar banho para não dizer outra coisa. Mas, como até então eu precisava dele, preferi ficar calado.

E, com medo de perder a boca livre do estádio, ou por saber que ele não queria amigo nenhum, Vitória ou Bahia, e sim o irmão de quem estava morrendo de saudade, do interior o liguei e falei: -Não marca nada com ninguém. Se Ruy não for cedo, vou embora de ônibus e chego no horário do jogo. O filho da puta falou: - Venha almoçar aqui em casa. Vou fazer um rango, a gente come e vai pro estádio depois. Eu disse: -Ôpa, muito bom. Como seu rango depois vamos pro jogo, assim não preciso gastar a grana para comer na rua. Nos 170kms que me separavam de Salvador, ele me ligou três vezes, querendo saber onde eu estava e se ia mesmo cumprir o nosso combinado. Eu sempre falando que estava chegando.

Parei na porta de casa ao meio dia na carona gratuita de Ruy. Nem me despedi direito, subi, botei a camisa do Bahia, como chovia muito e fazia frio, pus o gorro também. Peguei meu carro e fui filar o feijão na casa do carcamano. Chegando lá ele falou: -Meu coração tá apertado, algo me diz pra não irmos pro estádio. -Que nada, vim de viagem tão cedo, agora vai amarelar? No fundo eu estava com o mesmo sentimento. Algo me dizia para não ir. Comemos o feijão, maravilhoso por sinal, e saímos pro campo. Eu ainda o chamei para tomar uma, mas ele, cheio de mania que é, disse que só beberia do meio do segundo tempo pra frente. Eu achei pertinente.

Eu precisava comprar pilhas para o meu rádio e Edmundo queria que eu comprasse no mercadinho do condomínio dele. Lá só tinha pilha da bala, alcalina de R$ 4,25. Eu que comprei meu radinho por R$ 5,00 no camelô da Fonte Nova, não aceitei pagar. Disse: - Vou comprar no camelô a paraguaia por R$1,00. Ele falou: - Vendedor de rádio e pilha é que não vai faltar nas redondezas do estádio.

No caminho para o estádio, ele o tempo todo falava: -Vamos voltar, ouvimos o jogo pelo rádio tomando uma lá em Gil(um bar em seu condomínio), não tomamos chuva e, independente do resultado, estou preocupado com você. Todo fantasiado de Bahia. Até nos encontrarmos na volta do jogo, você voltará na contra-mão da torcida do Vitória, que estará alegre ou feliz, mas com certeza a fim de brigar. Vi que o cara tinha total razão, ainda quero escrever sobre isso. As torcidas estão transformando um lazer numa guerra. Uma diversão numa tortura. Paramos no estacionamento, pagamos R$ 5,00, comprei uma capa de chuva por mais R$ 5,00, e fomos em direção ao estádio. Não havia um vendedor de pilhas sequer. Fomos até depios do campo e voltamos e nada. No caminho, eu fantasiado de Bahia, ele de Vitória, cruzamos com um grupo de torcedores rubro-negros. Uns quinze mais ou menos. Quando me viram com a camisa do Bahia cantaram: "Camisa feia, cheia de cor, todo viado que conheço é tricolor!" Eu tremi na base. Imaginei a cena que Edmundo havia descrito. Eu voltando na contra-mão da torcida. Não importava o resultado. Estava ali para tomar no cu, além de porrada é claro. Comecei a temer pela minha sorte. Aí resolvi aceitar a sua proposta. Voltar para casa. Mas aí ele começou a tirar onda. Já tá aqui, voltar pra que? Foi aí que Deus intercedeu.

Naquele momento, caiu um toró torrencial. Foi o motivo que achei para convencer o cara. Vale lembrar que, no meio do engarrafamento monstro que pegamos, tinha uma campanha de vacinação contra gripe. Os agentes nos convenceram a tomar a vacina. Ele desceu primeiro enquanto eu tentava encostar o carro. Ouvi a agente falando pra ele: -O Sr. Vai tomando a vacina enquanto seu filho estaciona. Toma filho da puta! Mesmo assim voltou ele cartando que eu era torcedor W.O. Pôs até esse título no seu post. Ou seja, que eu tinha corrido do pau. Mas ele topou. Naquele momento, nem imaginávamos ainda que o jogo iria passar na tv, ao vivo para todo mundo. Fomos pra Gil e assistimos ao jogo na televisão devidamente protegidos do torrencial dilúvio que caiu sobre o Barradão, mais conhecido como Barralixo.

O Bahia precisava ganhar por uma diferença de dois gols para ser campeão. Edmundo já havia falado que não gostaria que nossa rivalidade esportiva transformasse aqule encontro fraternal numa briga de família. Fizemos este pacto então. O jogo começou e logo aos 14min o Baêa meteu 1x0. Edmundo ficou logo emburrado. Mais tarde começou a reclamar de uma falta que o juiz não marcou. Eu falei: - Quem não sabe brincar não desce pro play. Infeliz idéia esta minha. Ele, que não conhecia o ditado, tomou aquilo como pirraça. Nos descontos do primeiro tempo, aos 46min, o Baêa broca de novo: 2x0. Placar do primeiro tempo. Eu, já me sentindo o campeão, entoei uns versos de uma paródia que fiz com o hino do Vitória, fazendo alusão ao fato do time nunca ter sido campeão brasileiro. Eu já fui duas.

Eu sou, um time sem glória
Não tenho história, nem tradição
Eu sou, sou o vicetória

E nunca fui um campeão

No segundo tempo tudo mudou de figura. O vitória, que jogava pior que o Bahia, fez 2X1 e em seguida empatou o jogo. A cada lance Edmundo falava: - Quem não sabe brincar não desce pro play. Quando o jogo acabou ele ligou para o filho e contou a mesma cantilena: - Quem não sabe brincar, não desce pro play. Mesmo assim tomamos amigavelmente mais um lote de cerveja até que fui para casa.

Segunda, quando acordei na maior ressaca, recebi um recado do meu sobrinho Pablo, filho de Edmundo, que havia ligado e dizia: - Quem não sabe brincar, não desce pro play.

sábado, 2 de maio de 2009

ANIVERSÁRIO

Será que o corpo aguenta
O peso dos quarenta
Esta maturação?

Será que a cabeça vã
Suporta mais um cã
Outra transformação?

Olho para trás em seguida
Vejo os anos que passaram
As flores que deixaram
E os espinhos que trouxeram

Vejo o filme da minha vida
O futuro que sonhei
No que me transformei
Nas cenas que se expuseram

Vejo o carinho dos amigos
O amor da minha filha.
O filme da minha vida
Terá um final feliz?

O que me reserva o futuro
Este imenso túnel escuro
Este eterno relicário?

Que seja um caminho contente
É o que peço de presente
Em mais um aniversário

quarta-feira, 29 de abril de 2009

FRIGIDEIRA

A madrugada se arrasta lenta
E eu, virando na cama
De um lado para o outro
Como o omelete tostando
Ambas as faces por igual

Mas, para dar sabor a tal prato
Entre as camadas expostas, ao meio,
É necessário o tempero exato
E iguarias no recheio

Justamente ele é o que se ausenta
E eu, jogado na lama
Sou um omelete roto
Sobre o colchão fritando
Sem gosto e sem sal

A madrugada vai alta
E, no meio de cruzado fogo,
Só agora o que me falta
É desligar esse fogo

Vou ver se consigo dormir....

terça-feira, 28 de abril de 2009

A PONTA DO NOVELO



"Poema de Nelson Elias sobre melodia de Márcio Valverde"

Deixei-a naquela esquina
Como se bem não amara mais
Requinte das vaidades
Dos olhos pingam saudades
E as mãos num sem-que-fazer
Passam horas a tecer
A falta que ela me faz
É ofício de rendeira
Um bilro, um fio, um ponto, um laço
Desmancho tudo que faço
E nem desfaço, refaço
Pra dar o que fazer as mãos
Tecendo seu agasalho
Em fios de lã de saudade
Capote, manta, ilusão.


Sabe quando você perde a ponta do durex? Parece uma bobagem, mas às vezes isso nos consome por um longo tempo. Já se pegou gastando horas em busca da ponta de um novelo? Como começar o bordado se não sabe onde está ponta da linha? E se você não conhece o início imagine o seu fim? O fim da linha? Seu próprio fim? Ou será que você é o novelo emaranhado cuja ponta insiste em se ocultar e portanto não sabe que figura irá bordar? Como colar os pedaços da alma se a ponta da fita adesiva sumiu? É sempre possível fazer uma nova ponta com um estilete, é bem verdade. Mas não irá acabar a fita ao completar o seu arco até o corte? O mesmo não se dá com o novelo? Faça uma nova ponta com a tesoura e verá sua linha acabar antes mesmo da renda tomar forma. Aposentar as agulhas e bilros? Continuar despedaçado? Como tecer uma nova vida sem encontrar a ponta da lã?

São inúmeras as perguntas, infinitos os novelos e metros e metros de lã. São infinitas as formas de rendas, inacabáveis pedaços para colar. Onde estão as minhas pontas?

sábado, 25 de abril de 2009

O FUNDO DO POÇO

Aonde é o fundo do poço em que caí?
Porque ele não chega logo?
Me parece o fim da linha,
Ou melhor, o início da água?
Mas cadê ela?
Porque será que não sinto meu corpo molhar?
Parece uma queda sem fim
Um abismo abissal
Uma forma de morte
Um espelho em frente a outro
Nunca acaba esta visão
Nunca acaba esta queda
Este poço não tem fim.
Mas eu caio firme
Caio com a certeza de que fiz a minha parte
Que deixei a minha arte
Deixei o meu legado.
Me sinto uma pena
Que não pode contra o vento
Não sabe onde vai parar.
O que me espera lá no fundo?
O que me reserva o mundo?
Onde está o meu caminho?
As vezes me sinto sozinho
Mas sei que não estou
Tenho amigos, tenho amor
O que será que me falta?
Madrugada já vai alta
O sono não se aproxima
Perdi a minha rima
Perdi a inspiração
Que venha a água do fundo
Me lave que estou imundo
Mas não me mate.
Eu sei nadar!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

O CREPÚSCULO DA BANANEIRA

Tem gente que é poeta e não sabe. Ainda por cima faz graça com isso. Quando meu amigo Luciano na adolescência, apaixonado que estava pela namorada, sua hoje esposa Cássia, escreveu estes versos, para ela, nem imaginava que estava fazendo um poema romântico e de muito valor. Hoje ele o recita para fazer piada, para os amigos darem risada. Sábado passado, quando estávamos reunidos na casa de Ruy, tomando um vinho e fazendo um jantar maravilhoso(só por curiosidade Bacalhau a Gomes de Sá e Camarão ao Pomodoro), ele o recitou. Todos riram. Eu fiquei emocionado. Parabéns Luciano.















O Crepúsculo da Bananeira
Luciano Lubala

O luar clareia o pé de bananeira
Mas, como eu não gosto de goiaba
Roubaram minha bicicleta.






sexta-feira, 17 de abril de 2009

DESEJO

Se eu pudesse saber o que ela queria
Eu queria o que ela quisesse
Se eu pudesse entender o que ela sentia
Sentiria o que nela estivesse

Se eu pudesse ser eu naquele momento
Eu traria o mundo pra dar-te nas mãos
Se eu pudesse falar sobre o sentimento
Naquele momento eu seria a canção

Que a ninasse
A fizesse dormir
Embalasse seu sono
O seu coração

Se eu pudesse ser homem
Um homem pra ela
Cantaria a capela
Eu seria mais eu
Eu faria do mundo
A coisa mais bela
Eu faria da vida
O seu apogeu

Que a encantasse
A fizesse sorrir
Enfeitasse seu pomo
E te desse a mão

Se eu a merecesse, não a perderia
Pra que todo dia
Eu fosse só seu

Se eu a seduzisse enfim bastaria
Aquele sorriso
Seria só meu.

RAINHA

Eu sou uma mulher fatal
Quando me entrego sou completa
Quando me nego sou harpia
Faço para ele tudo que posso
Tudo que me sacia
Tudo que me faz feliz

Sou daquelas que não esperam
Tomo a iniciativa
Sou cativa, sou fogosa
Sou a rosa e o espinho
Sou a rua, sou o ninho
Sou mulher em toda essência

Trago nas mãos o punhal do desejo
No coração o golpe do amor
Sou o carrasco, a cafetina
Sou a menina em forma de flor

Eu sou a Deusa, sou a conquista
A ametista, diamante bruto
A carpideira chorando seu luto
A faxineira limpando seu chão
A dançarina brilhando no palco
Quando desfalco a sua paixão

Eu sou uma pobre criança
Meras lembranças de um tempo longínquo
De mares distantes, de encarnações
A soberana, beata e profana
A vil mundana das mutilações
Quando em seu corpo sem dó eu me finco
Eu sou a dona das emoções

Sou a mulher valente, a mulher amada
Eu sou a fada e sou a bruxa.
A que agrada e a que repulsa
A que faz falta e a que sobra
Sou o autor sem sua obra
Eu sou a obra sem seu autor
Eu sou a mãe, a filha, a sogra
Eu sou o ódio, eu sou amor

quinta-feira, 16 de abril de 2009

AO TELEFONE

-Alô!
-É você!
-Sim. A chuva tá forte, bateu saudade!
-Porque não ligou ontem?
-Viajei, estava trabalhando.
-Pensei que tinha esquecido de mim.
-Não é possível isto. Como esquecer de você?
-Está mentindo, só quer me agradar.
-Não verdade, eu gosto de você!
-Então porque não ligou ontem?
-Já falei, estava viajando a trabalho!
-Não podia parar um minutinho para me ligar? Só um minuto.
-Não dá para falar só um minuto com você.
-Está me chamando de conversadeira? Está se incomodando ao falar comigo?
-Não. Apenas quis dizer que conversar contigo é bom. Por isso não consigo falar pouco.
-Mentiroso. Você sabe que dia é hoje?
-Sim, quinta-feira!
-Ta vendo que você não se importa comigo?
-Porque?
-Hoje completa um mês exatamente que tive aquela afta.
-E porque eu deveria marcar esta data?
-Você ficou um dia sem poder me beijar. Deveria tê-lo marcado para sempre.
-Bobagem.
-Como você é insensível, não se importa comigo.
-Não fala isto. Me importo e muito com você.
-Se se importasse lembraria de qualquer dia que não pode me beijar.
-Prefiro lembrar dos dias em que a beijo com sofreguidão.
-Tá vendo? Só lembra dos beijos. Não falou dos dias em que fazemos amor. Na certa você acha que a Cristina, aquela sua ex sem sal, era melhor do que eu.
-Porque colocar a Cristina na conversa? Quando te conheci tinha mais de um ano que não a via nem falava com ela. Logo depois do nosso término ela foi para Espanha e nunca mais nos falamos.
-Mas você queria revê-la.
-Não. Quero ver você. Estou com saudades. Por isso te liguei.
-Mas estou despreparada. Não fui ao salão.
-Bobagem, você é linda de qualquer jeito.
-E estou meio assim.
-Assim como?
-Assim ora. Você não me entende mesmo né? Hoje não dá pra sairmos.
-Porque?
-Porque não. Está aonde?
-Em casa, pensando em você.
-Mentiroso. Quer sair comigo a tarde para ir ao jogo à noite.
-Mas o jogo é fora, não vou ao estádio.
-Mas se fosse aqui você iria.
-Sim, mas iria te convidar.
-Para me irritar? Sabe que não gosto de futebol. Vá assisti seu jogo na televisão.
-Não vai ser transmitido. Quero sair com você, vamos.
-Hoje não. Deixa para amanhã.
-Amanhã não posso vou passar o dia no congresso.
-Tá vendo? Você nunca pode sair comigo.
-Mas estou te convidando!
-Só porque não ligou ontem. Está querendo se redimir.
-Porra será que você não entende?
-Não seja grosso! Você são uns trogloditas.
-Desculpe, não quis ser grosso. Só apelei para que você acredite que eu te amo e quero sair com você.
-Verdade!
-Claro! Eu te amo!
-Fala de novo.
-Eu te amo!
-Não ouvi.
-Eu te amo, te amo, te amo!
-Que lindo. Você é apaixonante!
-Você também.
-Porque os homens tem essa mania de dizer "também". Porque não tem coragem de falar que eu sou apaixonante.
-Mas acabei de falar que te amo?
-Mas não teve coragem de dizer que sou apaixonante.
-Assim fica difícil, não dá pra falar desse jeito. Está de TPM?
-Não sei, talvez.
-Então nos falamos depois.
-Me liga mais tarde.
-Pra quê? Acabamos de nos falar e você não parece estar bem.
-Tá vendo? Não quer ligar porque vai sair com outra ou encher a cara com seus amigos nos bares da cidade.
-Não vou sair de casa. Não sem você.
-Então me liga mais tarde.
-Tá bom, ligo sim.
-Nos falamos depois então. Um beijo. Até mais.
-Um beijinho lindo. Vou sentir saudades. Vou esperar ansiosa ao lado do telefone. Não tenho coragem de desligar. Desliga você.
-Tá bom. Beijão. Mais tarde te ligo..
tum, tum, tum....
-AH FILHO DA PUTA!

terça-feira, 14 de abril de 2009

CHICO BUARQUE, O PENETRA

Fiquei puto com Lorena, do Strange Little Girl, que não me convidou para essa festa. Um meme como este, faço total questão de participar. Logo eu que ando tão distante da blogosfera, quase sem nenhuma interação, não ando lendo ninguém, muito menos comentando, como me acho no direito de ficar puto com ela por não ter me convidado? Bobagem essa minha mas a verdade é que fiquei. Mais ainda por saber que não terei um décimo da capacidade que ela teve para respondê-lo, é um meme muito difícil. A inveja é uma merda!

Consiste no seguinte: escolher um cantor e responder à série de perguntas a seguir apenas com letras, ou trecho delas, de músicas do artista escolhido. Como valorizo muito o lado autoral, escolhi um cantor por consequencia, mas essencialmente um compositor. O meu maior ídolo, o cara que descobri aos doze anos e que nunca mais saiu da minha vida, cuja obra tem a capacidade de traduzí-la nos seus mais íntimos momentos: Chico Buarque. Quem eu gostaria de ser por apenas um dia. Mais uma vez, a inveja é uma merda.

Vamos então às perguntas:

1. És homem ou mulher?

"...Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio
Pele e osso simplesmente, quase sem recheio..."
Partido Alto(Chico Buarque)

2. Descreve-te.

"Quando nasci veio um anjo safado
O chato dum querubim
E decretou que eu tava predestinado
A ser errado assim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim

Inda garoto deixei de ir à escola
Cassaram meu boletim
Não sou ladrão, eu não sou bom de bola
Nem posso ouvir clarim
Um bom futuro é o que jamais me esperou
Mas vou até o fim

Eu bem que tenho ensaiado um progresso
Virei cantor de festim
Mamãe contou que eu faço um bruto sucesso
Em Quixeramobim
Não sei como o maracatu começou
Mas vou até o fim

Por conta de umas questões paralelas
Quebraram meu bandolim
Não querem mais ouvir as minhas mazelas
E a minha voz chinfrim
Criei barriga, minha mula empacou
Mas vou até o fim

Não tem cigarro, acabou minha renda
Deu praga no meu capim
Minha mulher fugiu com o dono da venda
O que será de mim?
Eu já nem lembro pronde mesmo que vou
Mas vou até o fim

Como já disse era um anjo safado
O chato dum querubim
Que decretou que eu tava predestinado
A ser todo ruim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim"
Até o Fim(Chico Buarque)

3. O que as pessoas acham de ti?

"Mesmo que os cantores sejam falsos como eu
Serão bonitas, não importa
São bonitas as canções
Mesmo miseráveis os poetas
Os seus versos serão bons..."
Choro Bandido(Edu Lobo/Chico Buarque)

4. Como descreves o teu último relacionamento?

"Eu vou lhe deixar a medida do Bonfim
Não me valeu
Mas fico com o disco do Pixinguinha, sim ?
O resto é seu
Trocando em miúdos, pode guardar
As sobras de tudo que chamam lar
As sombras de tudo que fomos nós
As marcas de amor nos nossos lençóis
As nossas melhores lembranças

Aquela esperança de tudo se ajeitar
Pode esquecer
Aquela aliança, você pode empenhar
Ou derreter
Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
Meu peito tão dilacerado

Aliás
Aceite uma ajuda do seu futuro amor
Pro aluguel
Devolva o Neruda que você me tomou
E nunca leu
Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde "
Trocando em Miúdos(Francis Hime/Chico Buarque)

5.Descreve o momento atual da tua relação:

"...Ah, eu quero te dizer
Que o instante de te ver
Custou tanto penar
Não vou me arrepender
Só vim te convencer
Que eu vim pra não morrer
De tanto te esperar
Eu quero te contar
Das chuvas que apanhei
Das noites que varei
No escuro a te buscar
Eu quero te mostrar
As marcas que ganhei
Nas lutas contra o rei
Nas discussões com Deus
E agora que cheguei
Eu quero a recompensa
Eu quero a prenda imensa
Dos carinhos teus"
Sem Fantasia(Chico Buarque)

7. Onde queria estar agora?

"Negras nuvens
Mordes meu ombro em plena turbulência
Aeromoça nervosa pede calma
Aliso teus seios e toco
Exaltado coração
Então despes a luva para eu ler-te a mão
E não tem linhas tua palma

Sei que é sonho
Incomodado estou, num corpo estranho
Com governantes da América Latina
Notando meu olhar ardente
Em longínqua direção
Julgam todos que avisto alguma salvação
Mas não, é a ti que vejo na colina

Qual esquina dobrei às cegas
E caí no Cairo, ou Lima, ou Calcutá
Que língua é essa em que despejo pragas
E a muralha ecoa

Em Lisboa
Faz algazarra a malta em meu castelo
Pálidos economistas pedem calma
Conduzo tua lisa mão
Por uma escada espiral
E no alto da torre exibo-te o varal
Onde balança ao léu minh’alma

Em Macau, Maputo, Meca, Bogotá
Que sonho é esse de que não se sai
E em que se vai trocando as pernas
E se cai e se levanta noutro sonho

Sei que é sonho
Não porque da varanda atiro pérolas
E a legião de famintos se engalfinha
Não porque voa nosso jato
Roçando catedrais
Mas porque na verdade não me queres mais
Aliás, nunca na vida foste minha"
Sonhos sonhos são(Chico Buarque)

7. O que pensas a respeito do amor?

"Amo tanto e de tanto amar
Acho que ela é bonita
Tem um olho sempre a boiar
E outro que agita

Tem um olho que não está
Meus olhares evita
E outro olho a me arregalar
Sua pepita

A metade do seu olhar
Está chamando pra luta, aflita
E metade quer madrugar
Na bodeguita

Se seus olhos eu for cantar
Um seu olho me atura
E outro olho vai desmanchar
Toda a pintura

Ela pode rodopiar
E mudar de figura
A paloma do seu mirar
Virar miúra

É na soma do seu olhar
Que eu vou me conhecer inteiro
Se nasci pra enfrentar o mar
Ou faroleiro

Amo tanto e de tanto amar
Acho que ela acredita
Tem um olho a pestanejar
E outro me fita

Suas pernas vão me enroscar
Num balé esquisito
Seus dois olhos vão se encontrar
No infinito

Amo tanto e de tanto amar
Em Manágua temos um chico
Já pensamos em nos casar
Em Porto Rico"
Tanto Amar(Chico Buarque)

8.Como é a tua vida?

"O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Meu maestro soberano
Foi Antonio Brasileiro

Foi Antonio Brasileiro
Quem soprou esta toada
Que cobri de redondilhas
Pra seguir minha jornada
E com a vista enevoada
Ver o inferno e maravilhas

Nessas tortuosas trilhas
A viola me redime
Creia, ilustre cavalheiro
Contra fel, moléstia, crime
Use Dorival Caymmi
Vá de Jackson do Pandeiro

Vi cidades, vi dinheiro
Bandoleiros, vi hospícios
Moças feito passarinho
Avoando de edifícios
Fume Ari, cheire Vinícius
Beba Nelson Cavaquinho

Para um coração mesquinho
Contra a solidão agreste
Luiz Gonzaga é tiro certo
Pixinguinha é inconteste
Tome Noel, Cartola, Orestes
Caetano e João Gilberto

Viva Erasmo, Ben, Roberto
Gil e Hermeto, palmas para
Todos os instrumentistas
Salve Edu, Bituca, Nara
Gal, Bethania, Rita, Clara
Evoé, jovens à vista

O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Vou na estrada há muitos anos
Sou um artista brasileiro"
Paratodos(Chico Buarque)

9. O que pedirias se pudesses ter só um desejo:

"Pra mim
Basta um dia
Não mais que um dia
Um meio dia
Me dá
Só um dia
E eu faço desatar
A minha fantasia
Só um
Belo dia
Pois se jura, se esconjura
Se ama e se tortura
Se tritura, se atura e se cura
A dor
Na orgia
Da luz do dia
É só
O que eu pedia
Um dia pra aplacar
Minha agonia
Toda a sangria
Todo o veneno
De um pequeno dia

Só um
Santo dia
Pois se beija, se maltrata
Se come e se mata
Se arremata, se acata e se trata
A dor
Na orgia
Da luz do dia
É só
O que eu pedia, viu
Um dia pra aplacar
Minha agonia
Toda a sangria
Todo o veneno
De um pequeno dia"
Basta Um Dia(Chico Buarque)

10.Escreva uma frase sábia.

"...Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu..."
Pedaço de Mim(Chico Buarque)

Bem é isto. Como não fui convidado para a festa entro de penetra. Não me sinto no direito de repassá-lo, mas se alguém quiser entrar de penetra também, sinta-se a vontade.

SELO


Quero aproveitar este meme para agradecer ao Vidal pelo selo Blog de Ouro. Ele sim merece este, mas com sua imensa bondade compartilhou com os amigos do Bilhetes e acabei por ser agraciado. Obrigado Mano. Agora então vou repassá-lo para outros blogs que merecem ao meu entender, o selo dourado.

Strange Little Girl

Anavision
Florescer
De Tudo Um Pouco
Blog de Lêda
De Pó a Poesia

É claro que a lista seria muito maior, mas vou ficando por aqui. Beijo a todos!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

POETISA

Se tu soubesses
A força e beleza das tuas palavras
O quão fundo elas adentram os corações
Quando descem coma lavas
E incendeiam as emoções

Se tu soubesses
Como é belo o sentimento
Expostos em teu papel
Quantos sonham com você
Nas estrofes que tu gravas
Com a força do teu cinzel

Como a mágica dos teus versos
Primam na ilusão das rimas
Na mente insana do leitor
Se tu soubesses
Que propagas em poemas
As mais belas cantilenas
E o lindo fruto do amor

sexta-feira, 3 de abril de 2009

O TÚNEL

Talvez meu destino
Esteja sendo traçado
A dois mil quilômetros
Da minha casa
Talvez esteja na esquina
Do próximo quarteirão
Não importa a distância
Que eu tenha de percorrer
Sei que chego lá
Afinal, há sempre uma luz
No fim do túnel
Ou não há?

A AMIGA

É um pedaço de mim
Um pedaço vital
Que hoje se desprende e vai embora
Queria ter palavras nessa hora
Mas só tenho lágrimas para rolar

É um membro, uma veia,
Um coração devastado
Perde a força, o traçado
Bombeia o sangue errado
Não sabe qual é seu lugar

Como sentir esta falta?
Como viver sem seu lastro?
E dizer que a vida é bela?
Como enfrentar esta fera,
Sem seu ombro pra chorar?

Vai, mas leva contigo
Todo meu ser, minha vida
Saiba que sua amiga
Sempre vai te esperar

Te amo, te amo, te amo,
E sempre que eu te chamo
É por amor que eu clamo
Contigo compartilhar.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

BAIANADA


Agora há pouco, por volta das 18h30, eu estava num ponto de ônibus esperando um amigo. Como este demorava, fiquei observando o intenso movimento de carros àquela altura do início da noite, na movimentada avenida da orla marítima no Jardim de Alah aqui em Salvador. Neste momento, ignorando o recuo apropriado para a parada no ponto, um motorista parou o ônibus no meio da rua abrindo as portas para embarque e desembarque dos passageiros. Não restando outra alternativa, quem descia ou subia no veículo tinha que atravessar a faixa de recuo. Foi então que um apressadinho, motivado pela irresponsabilidade brutal do motô*, resolveu fazer pior que ele e ultrapassá-lo usando o recuo do ponto, quase causando uma tragédia sem precedentes. Não tenho dúvidas que foi a mão de Deus que evitou o desastre. Imediatamente me lembrei de Caetano Veloso, um baiano que dispensa apresentações, e sua música "Vamo Comer", além do post que publiquei aqui, o Baiano na Direção. Gostaria que isto fosse uma brincadeira de 1º de abril, o dia da mentira, mas é a mais pura verdade. Basta ler ou assistir aos jornais locais diariamente para vermos a imensa incidência de acidentes de trânsitos, em boa parte fatais, na capital baiana. A maioria deles seriam evitados se houvesse mais consciência por parte dos motoristas, motociclistas, e pedestres, enfim, pela população em geral. Meu Deus! Até quando amargaremos esta vergonha, este recorde lastimável? Sei que este é um problema mais amplo, que ultrapassa as fronteiras baianas, mas, sinceramente, pelo que já vi e vivi longe daqui, acho que estamos na frente de outros estados, o que é lamentável e vergonhoso.

Como meu amigo demorou mais ainda, fiquei maquinando na cabeça cheia de indignação, os versos expostos a seguir. Não tem nenhuma pretensão poética, foi apenas uma forma de passar o tempo e de dar o meu grito de protesto. Não gostaria de dar razão a Caetano. Que pena!

BAIANADA

O ônibus pára no meio da rua
O carro ultrapassa pelo ponto
"Baiano, burro, nasce e cresce"**
Compra carteira por qualquer cem conto

Quebra-molas é sinal aberto
Canteiro, faixa intermitente
"Baiano, burro, nasce e cresce"
É os ás na direção valente

A vida é uma brincadeira
O carro arma para a guerra
"Baiano, burro, nasce e cresce"
A cada hora uma vida enterra

Tem sempre que chegar primeiro
A rua é pista de corrida
"Baiano, burro, nasce e cresce"
E esquece o valor da vida

Onde andam os nossos valores?
O respeito pela vida humana
"Baiano, burro, nasce e cresce"
Numa corrida cruel e insana

O trânsito é uma batalha
Avenida é campo minado
"Baiano, burro, nasce e cresce"
E passa no sinal fechado

E eu que também sou baiano
Já tô achando que não sou normal
"Baiano, burro, nasce e cresce"
E ainda fala que eu sou boçal

*Motô: Forma carinhosa que o baiano chama o motorista de ônibus.
**Versos de Caetano Veloso da música "Vamo Comer" "Baiano burro, nasce e cresce e nunca pára no sinal. E quem pára e espera o verde é que é chamado de boçal.".

CULINÁRIA BAIANA

Habitada por índios, descoberta por portugueses e recheada por africanos que aos montes foram sendo trazidos para a nossa terra, a Bahia sofreu a influência marcante destas culturas. Tantos ingredientes, cada um na sua exata porção, deram origem a uma das receitas mais saborosas do mundo, A CULINÁRIA BAIANA.

Podemos dizer que, casualmente ou não, a busca de novos sabores, foi preponderante para a descoberta das terras brasileiras, haja vista que um tesouro, dos mais preciosos da época, as especiarias, motivou, em 08 de março de 1500, a saída da expedição de Cabral de terras lusitanas, em busca do caminho das Índias. Lá estavam as tão valiosas especiarias, as mesmas tão ao alcance das nossas mãos e mesas hoje em dia: cravo, canela, gengibre, baunilha, mostarda, erva-doce, dentre muitas outras. Em tempos de ausência de técnicas de conservação de alimentos, seu valor mais tinha a ver com a questão da pura sobrevivência do que com o requinte culinário. As especiarias tornavam os sabores mais toleráveis, além de amenizarem, pelas suas propriedades medicinais, eventuais desarranjos de saúde, provocados pela ingestão de comidas inadequadas.

Após o discutível desvio acidental da rota desejada, os portugueses desembarcaram no Brasil a 23 de abril de 1500, um dia depois de avistarem nossas terras. Os primeiros contatos com os habitantes locais, os Índios, foram marcados por trocas amistosas de alguns presentes, em sua maioria iguarias de cada um dos povos. Inicialmente os índios brasileiros rejeitaram os sabores europeus, cuspindo quase tudo que lhes era servido, inclusive o vinho. Foi uma questão de dias. Logo em 29 de abril, dois nativos subiram a bordo de uma das embarcações e comeram de tudo que lhes ofereceram. Esbaldaram-se com arroz e presunto cozido servido frio e beberam vinho.

Do cardápio local, os primeiros ingredientes experimentados pelos portugueses vieram do mar e rios: peixes e camarões. “Grossos e curtos, entre os quais tinha um tão grande e grosso, como em nenhum tempo vi tamanho” admira-se Caminha em sua carta ao rei, onde descrevia as belezas e encantos, assim como os defeitos, pelo menos aos olhos dos portugueses, da nova terra e seu povo.
Começava ali a nascer, a culinária brasileira, uma mistura de culturas e sabores que hoje, extremamente diversificada e influenciada por outras culturas, encanta os paladares mais requintados do mundo tendo como um dos destaques principais, a culinária baiana.

As primeiras mudas de cana-de-açúcar chegaram ao Brasil a bordo das embarcações que sucederam Cabral. Encontrando um solo fértil de massapê e clima úmido que logo se mostraram ideais para seu cultivo. Assim se formava a lavoura que trouxe às nossas terras, a pitada de sabor que faltava para completar a receita: o povo africano. Eles vieram das Ilhas do Golfo Guiné, Angola, Moçambique, Costa do Marfim, Costa da Malagueta e outras regiões da África. Tinham culturas diversas, algumas milenares e, conseqüentemente, culinárias distintas entre si, que ajudaram e muito a enriquecer os sabores do cardápio brasileiro. Trouxeram na bagagem um extraordinário talento de adaptação aos poucos ingredientes a que tinham acesso aos seus hábitos culinários. Aperfeiçoaram por exemplo, o pirão, uma invenção portuguesa no Brasil, a partir da farinha de mandioca, já vastamente usada pelos índios e das técnicas portuguesas de caldos e papas. Para fazer render a pequena ração que recebiam, escaldavam a farinha no caldo fervente dos alimentos e comiam com pimenta malagueta. Era o Pirão Massapé, assim chamado pela coloração arroxeada do preparo.

Com a intensificação do tráfico de escravos (negros africanos), vários produtos e plantas alimentares da áfrica vieram para cá. Quiabo, inhame, gengibre, dendê, côco e tantos outros. Aqui, junto aos produtos locais e os trazidos pelos portugueses, foram “assados, grelhados e cozidos” durante anos e anos de colonização, sofrimento e história, dando origem ao “prato” de sabor indescritível e tempero sem igual: A CULINÁRIA BAIANA.

Bibliografia consultada:

Fruend, F.; Vieira, S. e Zuanetti, R. 2001. O Mundo da Cozinha. Rio de Janeiro: Senac Nacional
Leal, M. L. Soares. 1998. A História da Gastronomia. Rio de Janeiro: Senac Nacional
Romio, Eda. 2000. 500 Anos de Sabor. São Paulo: Romio

sábado, 28 de março de 2009

O TREM DE MINAS

Uma luz que vem de Minas
Como o trem de Sabará
A beleza explicada
As ondas belas do mar

O mar de minas
A emoção deste sal
Nos caminhos do Belo Horizonte
As cores do cartão postal

O sabor do pão de queijo
O som do clube da esquina
A beleza que não vejo
Da bela moça de Minas