segunda-feira, 15 de outubro de 2018

DISCURSO DO ORADOR

Em 24 de março deste ano, colei grau em Administração de Empresas pela UNOPAR, Universidade Norte do Paraná, pólo de Serrinha-Ba. Foi uma cerimônia coletiva e mais cinco turmas colaram grau junto com a minha. Tive a honra de ser convidado para orador, representando todas as turmas. Segue abaixo o discurso que fiz nesta oportunidade:


Boa noite Senhoras e Senhores!

Esta é uma noite especial. Uma noite de celebração da vitória desses bravos formandos dos cursos de Administração de Empresas, Pedagogia e Serviço Social, de 2017, e de Ciências Contábeis deste ano, da Unopar, Unidade Serrinha. Pessoas que enfrentaram as mais variadas adversidades, alguns se deslocando de cidade para as aulas presenciais, outros conciliando o horário de trabalho com os estudos, muitos concluíram o curso com imenso sacrifício financeiro, enfim, barreiras derrubadas com o mérito e dedicação de cada um dos formandos aqui presentes. Esta é apenas uma etapa vencida que culminará com certeza, no sucesso e crescimento profissional e pessoal de todos, que, sem dúvida, são merecedores. Por isso, parabenizemos esses guerreiros com entusiasmo e alegria com uma salva de palmas para todos!
Como disse o imortal poeta português Fernando Pessoa:
Põe quanto és no mínimo que fazes. Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim, em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive.”
E assim, faremos a lua brilhar para todos nós, e para aqueles que nos cercam e nos amam. Temos que pôr tudo quanto somos nos nossos atos, mas não podemos fazer nada sozinhos. Sem o apoio, o incentivo e a motivação dos nossos amigos e familiares, tudo seria mais difícil.
Como esquecer deste pilar que tanto nos ajudou a chegarmos aqui? Será que conseguiríamos sem eles? Eu particularmente acho que não. São muitos nomes a citar. Não daria tempo para tanto. Sem a nossa coordenadora Eliene? Sem o nosso patrono Adalberto Dutra da Rocha? Será que conseguiríamos? E o que dizer dos tutores que nos apoiaram, incentivaram e dedicaram seu tempo, seu conhecimento e, principalmente, a sua amizade para concluirmos esta caminhada? Somos privilegiados por tê-los tido pondo o quanto são no mínimo que fazemos e no máximo que fizeram por nós.
A solidão é cruel e não nos leva a lugar nenhum. Já dizia Raul Seixas:

Sonho que se sonha só, é um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.”
Não sou bom de parábolas ou fábulas, mas vou pôr o quanto sou nesta que me arrisco a criar:

“Um certo homem perguntou a uma formiga como elas conseguiam construir tão perfeita moradia, convivência e obras gigantescas comparadas ao tamanho que tinham? Ela simplesmente respondeu:
- Faço o que posso para mim e para a outra o que ela não pode fazer por si mesma. O que não posso fazer por mim ou por nenhuma, sempre há outra disposta a doar o seu tempo e esforço para me suprir. Morremos uma pelas outras, mas, sobretudo, vivemos por todas!”

Ah se fôssemos formigas! Mas, como somos apenas seres humanos, neste momento não podemos deixar de celebrar. Sem fábula, parábolas ou ficções, hoje temos o privilégio de sermos seres humanos em evolução, para chegarmos amanhã a sermos formigas e viver em comunhão. Falaria a noite inteira sobre essa vitória espetacular que alcançamos, mas faltam-me palavras. Então encerrarei usando mais uma vez, palavras de outra pessoa: Lulu Santos:

Tudo que cala fala mais alto ao coração.”
Agora vou calar-me, para tentar gritar ao peito de todos: “Vencemos uma batalha. Só uma etapa. Mas como, para nós, não existe guerra, vamos todos ao encontro da paz. Lembrem-se sempre: A VITÓRIA NUNCA NOS ALCANÇA, MAS SEMPRE NOS ESPERA!

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

PALAVRAS




Se as pessoas bem soubessem
O valor que as palavras têm
As economizariam
Como ao dinheiro também

Assim como o vil metal,
É preciso saber usá-las
Comedidamente, com cuidado,
Não gastá-las

Muita gente tem dinheiro
Mas não sabe se conter
Gasta pelo mundo inteiro
Até tudo se perder

A palavra é assim
Também pode acontecer
Se falar, falar sem fim
Mesmo sem nada a dizer



quarta-feira, 19 de maio de 2010

ESPERANDO POR ELA

Ela vem vindo, amada
Ela vem vindo, faceira
Ela vem vindo, bonita
Ela vem vindo, menina

Ela vem vindo, saudável
Ela vem vindo, a luz
Ela vem vindo, pra nós
Ela vem vindo, divina

Ela vem vindo, em mim
Ela vem vindo, em ti
Ela vem vindo, canção
Ela vem vindo, criança

Ela vem vindo. mulher
Ela vem vindo, poema
Ela vem vindo do ventre
Onde pra nós ela dança.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

TERRA BAHIA


--> -->
Terra Brasil, brasileira
Parada primeira
Colonização
Que se regala festeira
À sua maneira
Num só coração

Berço de tantos talentos
Fortes monumentos
Da nossa cultura
Velhos, rapazes, rebentos
Palavras, inventos
A arte mais pura

Terra de mil Caetanos
Caroso, Adrianos
Valverdes e Rosas
Terra dos Novos Baianos
Amados, fulanos
De Ruys e Barbosas

Terra de boa comida
Gilbertos dão vida
Pros tempos de paz
Castros e Alves na lida
Poesia esculpida
Versos de Moraes

Lugar onde o vento gorjeia
Menina, sereia
Tarde, Itapoã
Quem se deitar nesta areia
Pulsará na veia
De um belo amanhã

Onde renasçam Caimmys
Com notas sublimes
Rede e violão
Onde na esteira de vime
Preguiça é vitrine
Para uma nação

Onde nasceram Marias
Bethânias, poesias
Costas e Gal
Caldas, Dodôs e folias
Reinado de dias
O som, carnaval

Cantam Sangalos e Leites
Pra nosso deleite
Macedos, João
Fortes como seu azeite
Tempero de peixes
Abará, camarão

Dadá e seu sorriso lindo
Nascendo, fluindo
Para exportação
Porto seguro, menino
Correndo, carpindo
Mais uma canção

Terra de tantas belezas
Naturais riquezas
De mares e rios
Terra de tão farta mesa
Alegria e tristeza
Num só desafio

Aqui nasceram pessoas
Tão raras, tão boas
Quase uma elegia
Tu és o hino que entoa
O sino que soa
És terra, Bahia!