sexta-feira, 18 de setembro de 2009

TERRA BAHIA

Terra Brasil, brasileira

Parada primeira

Colonização

Que se regala festeira

À sua maneira

Num só coração


Berço de tantos talentos

Fortes monumentos

Da nossa cultura

Velhos, rapazes, rebentos

Palavras, inventos

A arte mais pura


Terra de mil Caetanos

Caroso, Adrianos

Valverdes e Rosas

Terra dos Novos Baianos

Amados, fulanos

De Ruys e Barbosas


Terra de boa comida

Gilbertos dão vida

Pros tempos de paz

Castros e Alves na lida

Poesia esculpida

Versos de Moraes


Lugar onde o vento gorjeia

Menina, sereia

Tarde, Itapoã

Quem se deitar nesta areia

Pulsará na veia

De um belo amanhã


Onde renasçam Caimmys

Com notas sublimes

Rede e violão

Onde na esteira de vime

Preguiça é vitrine

Para uma nação


Onde nasceram Marias

Bethânias, poesias

Costas e Gal

Caldas, Dodôs e folias

Reinado de dias

O som, carnaval


Cantam Sangalos e Leites

Pra nosso deleite

Macedos, João

Fortes como seu azeite

Tempero de peixes

Abará, camarão


Dadá e seu sorriso lindo

Nascendo, fluindo

Para exportação

Porto seguro, menino

Correndo, carpindo

Mais uma canção


Terra de tantas belezas

Naturais riquezas

De mares e rios

Terra de tão farta mesa

Alegria e tristeza

Num só desafio


Aqui nasceram pessoas

Tão raras, tão boas

Quase uma elegia

Tu és o hino que entoa

O sino que soa

És terra, Bahia!

Um comentário:

Humana disse...

Que belo poema, Adriano!
Que vontade eu tinha de conhecer essa terra linda de gente maravilhosa...
Já te tinha dito que me contaram que faz lembrar a minha Luanda não é?
Beijinhos meu amigo.